segunda-feira, 23 de março de 2020



11 Motivos para realizar um Projeto de Eficiência Energética para Indústrias

Matéria Extraída: Blog de Engenharia 
Por: Luis Gustavo



    Eficiência Energética para Indústrias
Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o setor industrial é responsável pelo consumo de 41% da energia elétrica do Brasil, ao passo que cerca de 537 mil unidades estão em funcionamento no país. Nesse sentido, a relação intensa entre as indústrias e o consumo da energia elétrica é evidente. Isso ilustra a importância de um projeto de eficiência energética para indústrias
  • Desperdício da energia em números

Segundo o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), ao considerar as indústrias, residências e comércio, o desperdício de energia chega a 22 milhões de kW, o que representa cerca de  US$ 1,54 bilhões por ano.
À medida que o consumo de energia elétrica aumenta, um maior suprimento de energia nas atividades deve ser considerado. Para isso, investimentos em geração, distribuição e transmissão devem ser realizados, de forma que a demanda industrial seja atendida com confiabilidade. Devido a esse fato, a implantação e incentivos à programas e projetos de uso eficiente da energia devem ser estimulados pelo país, uma vez que os desafios no setor energético crescem gradativamente no Brasil.
Atualmente, nas unidades fabris do Brasil, cerca de 20% dos motores instalados possuem mais de 25 anos, ao passo que esses são os maiores consumidores de energia nas indústrias. Na maioria dos casos, por exemplo, os motores já foram rebobinados cerca de 7 a 10 vezes.
Nesse contexto, nem sempre as alternativas com menor tempo de retorno direto serão a melhor solução, analisando, por exemplo, a relação entre o custo do investimento e a economia de energia. Existem situações nas quais o ganho está associada à melhora na produtividade, aumento da confiabilidade do sistema de produção, bem como uma menor manutenção futuramente.
  • Qual é a melhor solução que devo tomar?

De acordo com uma pesquisa realizada pela CNI com 2876 empresas , em 2015, 52% tomaram medidas contra o aumento da tarifa da energia elétrica, de forma que 7 entre 10 firmas adotaram a eficiência energética como alternativa para redução do efeitos do acréscimo na conta e desse forma utilizaram a engenharia a seu favor para economizar.
  • O Brasil no mundo

No que diz respeito à eficiência energética, segundo um estudo realizado pelo Conselho Americano por uma Economia com mais Eficiência Energética (ACEEE, na sigla em inglês), o Brasil está em 15º lugar entre as dezesseis maiores economia do mundo. No ranking, o qual tem a Alemanha como o país mais eficiente no âmbito mundial, o pior desempenho brasileiro foi na indústria, recebendo apenas 2 dentre os 25 pontos possíveis.

11 Motivos para realizar um Projeto de Eficiência Energética para Indústrias:

  1. Perdas nas Instalações Elétricas

O sistema elétrico de uma indústria pode ser distribuído de diversas maneiras, de modo que seja escolhido e organizado em função de uma série de questões, evitando fugas de corrente e com emendas feitas corretamente, além de respeitar o equilíbrio de fases.
  1. Motores elétricos

No mercado, existem motores com um alto rendimento, que reduzem as perdas de energia, sendo esses mais caros que os modelos antigos. Entretanto, a longo prazo, o uso desse tipo motor pode se tornar rentável, uma vez que a massa do material ativo, cobre e chapas metálicas principalmente, foi aumentada, reduzindo as perdas, por exemplo.
  1. Transformadores

Caso os transformadores não estiverem funcionando em uma faixa desejável de sua potência nominal, um rendimento útil não é obtido. Além disso, entre outras questões ligadas aos transformadores, é importante ressaltar que, quando estão mantidos sob tensão, não fornecem potência, de modo que as perdas no cobre tendem a ser nulas. Entretanto, nessas situações, acabam ocorrendo perdas no ferro, na maioria das vezes.
  1. Sistemas de Iluminação 

Na definição, o sistema de iluminação abrange todos os componentes necessários para atender a demanda da iluminação. Posto isso, o bom desempenho de tal sistema está associado aos cuidados no início do projeto elétrico, por exemplo, de forma que envolva informações relevantes sobre luminárias e perfil de utilização, assim garantindo a eficiência energética para indústrias.
Powered by Rock Convert
  1. Fornos Elétricos e Estufas

Os fornos elétricos e as estufas são equipamentos que consomem uma quantidade expressiva de energia durante o processo de aquecimento nas instalações industriais. Por mais que sejam considerados máquinas eficientes, algumas perdas significativas costumam ser observadas no carregamento e transporte do material aquecido, além das operações de aquecimento e fusão.




Você já ouviu falar de instalações sustentáveis? Essas tem sido uma ótima alternativa adotada no mercado que alia economia à sustentabilidade


  1. Ar-Condicionado e Ventilação

O uso indevido do ar-condicionado é extremamente relevante na perda de energia elétrica. Sendo assim, utilizá-lo nas faixas de temperaturas apropriadas para o ambiente e instalar cortinas de ar são algumas medidas importante para evitar o desperdício no dia-a-dia. Além disso, é válido ressaltar que, na operação de compressores e chillers, por exemplo, a utilização à plena carga é indicada, em vez duas ou mais máquinas com carga parcial.
  1. Sistema de Ar Comprimido

A existência de compressores vazamentos internos é frequente, ao passo que isso acontece devido ao desgaste excessivo em anéis de segmento ou nas válvulas, consumindo mais energia, além de produzir menores quantidades de ar que a capacidade nominal do próprio compressor. Além disso, no que diz respeito à distribuição e utilização do gás, é importante verificar se está havendo perda de pressão entre os reservatórios e os pontos de uso dos fluidos. Esses são apenas alguns exemplos dentre as inúmeras ações para aprimorar a eficiência do sistema de ar comprimido, de acordo com a especificidade do caso.
  1. Sistema de Refrigeração

Manter o isolamento térmico das tubulações de líquido e gás é importante para evitar a trocar de calor entre o meio interno com o externo, sobretudo, por exemplo, em câmaras frigoríficas e chillers, a fim de reduzir o gasto indevido de energia nesses tipos de atividade.
  1. Bombeamento de Água

Antes de tudo, é primordial que o conjunto motor-bomba presente no ambiente industrial é adequado, ou seja, se possui a altura manométrica e a vazão requerida. Essa relação é muito importante, pois essas variáveis estão diretamente relacionadas entre si e, consequentemente, com a potência da bomba.
  1. Elevadores e Escadas Rolantes

Nos horários de pico, não é necessário que todos os elevadores sejam utilizados simultaneamente e, além disso, controladores de tráfego são essenciais, a fim de evitar que dois elevadores sejam deslocados após uma chamada. Entre outros exemplos relacionados com tal situação, também é válido destacar a necessidade de evitar sobrecargas, de modo que não haja risco de uso desnecessário de energia e riscos para a estrutura.
  1. Fator de Potência (FP)

Caracterizado como a medida de eficiência de uma determinada instalação elétrica, o fator de potência mostra qual é a porcentagem da potência total que está sendo aproveitada no sistema elétrico. 
De acordo com a legislação brasileira, o FP mínimo admitido é 0,92, e assim, caso o fator do consumidor esteja menor, a concessionária da região fica responsável por aplicar multas. 
Algumas maneiras de corrigir o fator de potência, ou a chamada energia reativa excedente, 
são: instalações de capacitores em pontos primordiais dos circuitos alimentadores.
Dentre as principais causas de um Fator de Potência baixo, destacam-se:
  • Lâmpadas de descarga (fluorescentes, vapor de mercúrio e vapor de sódio) ao utilizar reatores de forma inadequada, ou seja, que são de baixo fator de potência;
  • Transformadores que operam sem carga ou com carga muito baixa;
  • Grande quantidade de motores de pequena potência.
  • Será essa a saída?

Posto isso, fica claro que os projetos voltados para Eficiência Energética para Indústrias tendem a aumentar gradativamente no Brasil, sobretudo devido aos gastos crescentes com energia, que fica mais cara a cada dia que passa, ao mesmo tempo que representa grande parte do valor de custo de um produto.
Utilizar um projeto de Eficiência Energética para Indústrias é uma opção a qual pode oferecer um ótimo custo-benefício, otimizando os processos de sua indústria, como nos tópicos abordados acima, além de estabelecimentos ou, até mesmo, em residências.

Quer entender mais das etapas e do investimento de um projeto de Eficiência Energética? Fale com nossos consultores e peça um orçamento grátis!






Image result for e-mail
Veja também: 
Arquitetura e Construção, Energia e Sustentabilidade

domingo, 14 de janeiro de 2018

Energia solar – Duvidas & Respostas!



Energia solar – Duvidas & Respostas!

                     Sistemas de energia solar off-grid (com auxílio de baterias)

Onde pode ser instalado um gerador solar ?

Pode-se usar geradores solares para suprir eletricidade para praticamente qualquer carga em qualquer região do Brasil, mas eles se tornam viáveis economicamente apenas para pequenas cargas.
Por isso eles são mais usados em residências rurais distantes das redes elétricas, estações de telecomunicação em morros, bombeamento d’água em locais sem energia, na sinalização de estradas, em barcos e em um sem número de aplicações onde o consumo de energia é baixo e torna-se difícil levar uma rede elétrica da concessionária.

De que é composto o gerador solar?

É composto basicamente por um ou mais módulos de células fotovoltaicas que geram eletricidade em corrente contínua, 12 Volts (como a eletricidade do automóvel) e que carregam uma ou mais baterias.
Um controlador de carga é utilizado para evitar a carga excessiva da bateria em períodos de muita insolação ou sua descarga completa em períodos nublados.
Caso você queira eletricidade em corrente alternada 120 Volts (como a eletricidade doméstica) tem que adquirir também um inversor que faz a transformação (ver desenho abaixo).

Posso instalar os módulos fotovoltaicos no telhado ou terraço de minha casa?

Pode.
O importante é que não existam sombras nos módulos fotovoltaicos durante todo o dia e que eles fiquem virados para o norte verdadeiro e inclinados em relação a horizontal no mínimo 15 graus (colocar um ângulo igual à latitude do local dependendo do clima da região).
Também não podem ficar muito distantes das baterias para evitar muitas perdas elétricas.

 Posso instalar um gerador se eu já tenho eletricidade da concessionária de energia?

Pode, mas você tem que separar os circuitos.
Selecione um circuito elétrico especifico para ser alimentado pelo gerador solar.
Recomenda-se que seja um circuito de iluminação com lâmpadas econômicas (LED) de alta eficiência e tomadas exclusivas para aparelhos eletrônicos para não se ter um consumo muito elevado.
Você pode também instalar uma chave elétrica comutadora que permite que este circuito seja alimentado pela rede da concessionária quando as baterias estiverem descarregadas.
Neste caso é essencial a aquisição do inversor, pois todos os aparelhos deverão ser de corrente alternada.

 Vale a pena instalar um gerador solar para economizar na conta mensal de energia da concessionária?

Se seu objetivo é somente economizar não vale a pena pois a redução que você obtém em sua conta de energia não compensa o custo financeiro do investimento realizado.

Para você reduzir 50 kWh/mês (ou cerca de R$30,00/mês conforme a tarifa) de sua conta você precisará investir cerca de R$15.000,00 (este cálculo deve ser refeito com as tarifas atualizadas).

Entretanto se seu objetivo é também contar com uma fonte geradora de energia renovável e limpa em sua casa você poderá instalar um sistema menor para atendimento a algumas cargas.

 

Quanto custa um sistema pequeno?

Um gerador pequeno pode custar menos de R$ 2.000,00, mas ele pode alimentar só umas 3 lâmpadas de 11 W durante 3 horas por dia.(atualizar preço)

À medida que você aumenta o número de lâmpadas e de aparelhos e o tempo que eles permanecem ligados diariamente o custo vai subindo quase proporcionalmente.

Se você quiser alimentar cargas de alto consumo como refrigerador, ventilador, televisores grandes o custo sobe muito.

Não tente alimentar chuveiro elétrico, ar condicionado e outras cargas de altíssimo consumo pois os custos ficam extremamente elevados, para essa finalidade existe os sistemas de aquecimento solar para água. (Fototermico- tubos de vidro a vácuo ou as já conhecidas placas solares para aquecimento). 

https://www.pier99.com.br/b/Aquecedor

Que dados eu preciso levantar para saber qual gerador é mais adequado para mim?

Você precisa relacionar todos os aparelhos que você quer alimentar com o gerador solar.

De cada um deles você precisa saber sua potência em Watt e quantas horas ele ficará ligado em média por dia.

Multiplicando a potência em Watt pelo número de horas você encontrará o consumo em Watthora/dia de cada um.

Some todos estes consumos e terá o consumo total.

Já tenho energia convencional, mas quero instalar um gerador solar sem baterias e conectado diretamente à rede elétrica da concessionária de energia. Posso?

Os geradores solares conectados diretamente a rede elétrica são muito comuns em diversos países. (Sistemas Ongrid ou Gridtie)

Resolução Normativa 482 da ANEEL - ou simplesmente Resolução 482 ANEEL – estabeleceu as condições gerais para a conexão à rede da microgeração (potência instalada menor que 100kWp) e minigeração (potência instalada entre 100kWp e 1MWp) distribuída no Brasil e criou o Sistema de Compensação de Energia. Este permite que sistemas fotovoltaicos – e outras formas de geração de energia a partir de fontes renováveis com até 1MW de potência instalados em residências e empresas – se conectem a rede elétrica de forma simplificada, atendendo o consumo local e injetando o excedente na rede, gerando créditos de energia. Desta forma, é possível praticamente zerar a conta de luz com o uso da energia solar, pagando apenas o custo de disponibilidade da rede.

Quando um sistema fotovoltaico estiver gerando eletricidade, esta será consumida no local. Caso a geração seja maior que o consumo, o excedente é injetado na rede elétrica, gerando créditos de energia. Quando a geração for menor do que o consumo, será utilizada a energia da própria rede elétrica. Os créditos de energia possuem o mesmo valor da eletricidade da rede e podem ser utilizados para abater o consumo, diminuindo assim o valor da conta de energia.

Ao final do mês, é realizado o balanço de quanto foi injetado e quanto foi consumido. Caso em um mês a geração tenha sido maior que o consumo, os créditos de energia podem ser utilizados nos meses seguintes com validade de 36 meses. Esses créditos também podem ser utilizados para compensar o consumo de outras unidades previamente cadastradas para este fim e atendidas pela mesma distribuidora – cujo titular tenha o mesmo CPF ou CNPJ da unidade com sistema fotovoltaico.

Ainda de acordo com a Resolução 482, o consumidor deverá pagar à distribuidora de energia o custo de disponibilidade da rede, como pode ser visto abaixo:
  


https://www.pier99.com.br/